Húmus

Húmus, murmúrio mudo,
pedregulhos húmidos de bafio e brilho,
espectros sombrios de que foge o estio,
buxos puídos, denegridos sepulcros…
Como pode algo tão lúgubre
ser tão luminoso?
Com uma penada ilumino,
com outra, ludibrio.

(sobre Húmus, de Raul Brandão)

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *